Agradecimentos marcam cerimônia de abertura do Congresso da Pastoral Familiar

E-mail Imprimir PDF

O XV Congresso Nacional da Pastoral Familiar foi aberto na noite desta sexta-feira, 8, no Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá (MT). Com auditório repleto de agentes de todos os 18 regionais do Brasil e ainda os assessores eclesiásticos e bispos referenciais, a cerimônia que deu início ao evento foi marcada pelos agradecimentos, tanto pela acolhida dos agentes do regional Oeste 2 da CNBB, que sedia o encontro, quanto pela resposta dada pelos membros que disseram sim ao chamado à evangelização das famílias.

XVCNPF_Mesa-abertura

A primeira atividade de abertura foi uma celebração litúrgica, seguida da cerimônia de abertura com a mesa composta pelo arcebispo de Cuiabá (MT), dom Milton Antonio dos Santos; pelo bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, dom João Bosco Barbosa de Sousa, e seu assessor, padre Jorge Alves Filho; e os casais coordenadores da Pastoral Familiar: nacional, Luiz e Khátia Stolf; e regional, Josuel e Edina. Também compôs a mesa o bispo de Sinop e referencial da Pastoral no regional Oeste 2, dom Canísio Klaus.

Dom Milton abriu oficialmente o Congresso mostrando a imagem da Sagrada Família e dizendo ser a Família de Nazaré “a presidência deste congresso”. O arcebispo seguiu sua fala com uma oração das famílias que pede bênçãos a esta “fonte geradora de cidadãos conscientes e livres”. Josuel e Edina agradeceram todo o empenho e preparação da equipe do regional e pediram que a Sagrada Família “seja nossa companheira e indique o caminho para o amor do Pai”.

Missão de ser luz
XVCNPF_Khtia_e_LuizO casal coordenador nacional Luiz e Khátia Stolf destacou a representação das Igrejas particulares em cada delegação, todas unidas “formando um só povo por todo o Brasil” e na busca por conhecimento e comunhão entre todos os regionais. Recordando a temática do encontro, Khátia Stolf considerou algo desafiador e que quer fazer eco às palavras do papa Francisco de que “hoje, a pastoral familiar deve ser fundamentalmente missionária, em saída, por aproximação, em vez de se reduzir a ser uma fábrica de cursos a que poucos assistem”.

A urgência é sair do comodismo e “e ir para o meio da sociedade que a cada dia se afasta mais dos valores morais e éticos, e também dos valores religiosos”, segundo o casal nacional. Adiantando um compromisso a ser assumido, aponta que a missão que se coloca sobre cada agente é retornar para suas comunidades como anunciadores da Boa Nova, “não só para as comunidades, também, mas principalmente para a sociedade, sendo assim a igreja em saída que o Papa Francisco insiste tanto”.

Logo após, tomou a palavra dom João Bosco Barbosa de Sousa. O presidente da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) fez uma observação de que a Pastoral vem passando por uma renovação e indicou caminhos para fazê-la crescer.

Gratidão dos pastores
O bispo de Sinop (MT) e referencial da Pastoral Familiar no regional Oeste 2, dom Canísio Klaus, manifestou a alegria da representação de todo o Brasil no congresso. Ele ainda comentou que os bispos do regional estão divididos e representados em dois eventos que acontecem simultaneamente no regional - além do Congresso, há um encontro das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), em São Félix do Araguaia. Dom Canísio agradeceu a todos os agentes e membros de movimentos que fazem por meio do seu trabalho eco às palavras dos papas os quais ensinam a importância e a necessidade de organizar a Pastoral Familiar “vigorosa, forte, atuante em todas as dioceses”.

Ele ainda recordou o tema do encontro: “Parece que está escuro, que não há mais vida. Há muitos sinais de morte e violência. Então, é hora de entrarmos mais ainda em campo e dizer que viemos para o dom da vida partilhar. Assim, o recebemos do pai e da mãe, da família. A vida é fruto do amor e não pode ficar fechado em si mesmo”.

XVCNPF_bandeiraO bispo ainda recordou agradecido os três anos de preparação para o Congresso, quando o ícone da Sagrada Família percorreu dioceses, paróquias e comunidades, “tocando o chão onde muitas de nossas famílias passam”. Segundo ele, este processo “deu um reavivamento, um novo encanto, uma alegria muito grande para vivermos mais a vida de nossas famílias”.

Palavra especial
Ao final, padre Jorge Alves Filho surpreendeu os participantes com uma carta do papa Francisco enviada ao Congresso da Pastoral Familiar. O assessor nacional também divulgou uma bênção apostólica do papa enviada pelo núncio apostólico no Brasil, dom Giovanni D’Aniello.

Revista Digital

<div id="opt_1"></div>

Semana Nacional da Vida - 2017

Banner