Momento político no Brasil

E-mail Imprimir PDF

senado-federalMuitos cobram da Igreja um pronunciamento sobre o momento político. Permanecendo no campo dos princípios, "a Igreja não tem soluções técnicas para oferecer e não pretende de modo algum imiscuir-se na política dos Estados, mas tem uma missão ao serviço da verdade para cumprir, em todo o tempo e contingência, a favor de uma sociedade à medida do homem, da sua dignidade, da sua vocação... (Bento XVI, Caritas in Veritate, 9). "A Igreja não pode nem deve tomar nas suas próprias mãos a batalha política... não pode nem deve se colocar no lugar do Estado. Mas também não pode nem deve ficar à margem na luta pela justiça. Deve inserir-se nela pela via da argumentação racional e deve despertar as forças espirituais, sem as quais a justiça... não poderá firmar-se nem prosperar" (Bento XVI, Deus caritas est, 28). "Todos os cristãos, incluindo os Pastores, são chamados a se preocupar com a construção de um mundo melhor" (Francisco, EG 183).

Assim sendo, seguindo essa orientação, a CNBB, em sua 54ª Assembleia Geral, sobre o impeachment da Presidente, não emitiu juízo jurídico ou político, "pois tal procedimento cabe às instâncias competentes, respeitado o ordenamento jurídico do Estado democrático de direito". Mas adverte que "a crise atual evidencia a necessidade de uma autêntica e profunda reforma política, que assegure efetiva participação popular, favoreça a autonomia dos poderes da República, restaure a credibilidade das instituições e garanta a governabilidade".

O tema central desta Assembleia dos Bispos foi sobre a ação dos Cristãos Leigos na Igreja e na sociedade. Se a hierarquia da Igreja não se intromete na política, os fiéis leigos têm essa obrigação: "Para animar cristãmente a ordem temporal, ... os fiéis leigos não podem absolutamente abdicar da participação na política, ou seja, da múltipla e variada ação econômica, social, legislativa, administrativa e cultural, destinada a promover orgânica e institucionalmente o bem comum... A Igreja louva o trabalho dos se dedicam ao bem da nação e tomam sobre si o peso de tal cargo, a serviço dos homens" (S. J. Paulo II, Christif. Laici, 42).

O ambiente político, porém, é cheio de ciladas e miragens enganadoras. Muitas vezes, agremiações e partidos enganam a muitos pela semelhança da sua ideologia com a doutrina da Igreja, especialmente com relação ao socorro aos pobres e marginalizados.  Por isso, a Igreja adverte: "Há cristãos, hoje em dia, que se sentem atraídos pelas correntes socialistas e pelas suas diversas evoluções. Eles procuram descobrir aí certo número de aspirações, que acalentam em si mesmos, em nome da sua fé..., contudo, tal corrente foi e continua a ser, em muitos casos, inspirada por ideologias incompatíveis com a fé cristã... (Paulo VI, Octogesima Adveniens, 31). "O socialismo, como doutrina ou fato histórico ou ação, se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça nos pontos sobreditos, não pode conciliar-se com a doutrina católica, pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã" (Pio XI, Quadragesimo Anno, 116).

Dom Fernando Arêas Rifan
Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

Revista Digital

<div id="opt_1"></div>

Semana Nacional da Vida - 2017

Banner